Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 16 de setembro de 2003

Sobre os dons do espírito

Michelangelo e a Capela Sixtina, Dom Rafael Llano Cinfuentes, em seu livro A força e a suavidade do Espírito Santo, nos dá uma excelente visão de todo o potencial divino que possuímos mas não utilizamos. Para ilustrar o texto, utiliza exemplos reais, que transcrevo a seguir:
Quando encomendou a pintura da famosa capela, o Papa deu uma série de recomendações a Michelangelo: cenas do Antigo Testamento, profetas, apóstolos... O pintor não ficou muito satisfeito, mas mesmo assim concordou. Começou a fazer o trabalho de acordo com as instruções recebidas, e embora todos elogiassem, ele estava insatisfeito com os resultados.
Um domingo, foi descansar em uma taberna do Trastevere, que tinha fama de servir o melhor vinho de Roma. Pediu um copo, achou a bebida um pouco avinagrada, mas nada disse afinal de contas, o local era conhecido pela qualidade, e talvez seu paladar que estivesse errado! De repente, um homem na mesa ao lado levantou-se e reclamou: "Este vinho não presta!".
O taberneiro pareceu surpreso: "Não é possível, servimos o que há de melhor nesta cidade! Deixe-me experimenta-lo". Bebeu um pouco, olhou para o freguês, puxou uma faca, e disse: "Tem razão. Não merece ser servido aqui." Com a lâmina rasgou os recipientes de couro, e a rua foi inundada por um rio vermelho.
Naquele mesmo instante, Michelangelo teve uma revelação: todos pensavam que a pintura que estava executando era a melhor de Roma, como o vinho daquela taberna. Ele até então não se atrevera a dizer nada, porque era a opinião da maioria, inclusive do Papa! Levantou-se na mesma hora, foi até os murais, apagou tudo e recomeçou de novo. Foi chamado de louco por todos, mas conseguiu criar um mural que até hoje é considerado como um marco na história da arte.
Comenta Dom Rafael: "precisamos ter a valentia de rasgar cortar, queimar, para poder recomeçar e reconstruir".
Santa Teresa em oração
Perguntaram a Santa Teresa do Menino Jesus porque passava tanto tempo na capela de seu convento.
- Rezo.
- E que dizes ao Senhor?
- Nada respondeu ela.
- Como? Que fazes então?
- Amo.
Comenta Dom Rafael: "a mãe ama em silêncio o seu filho. Esta atitude permanente de abertura é um potente radar que capta as insinuações do Divino."
Tenho orgulho do meu coração
Guillomet que o piloto e escritor Saint-Exupéry (autor de O Pequeno Príncipe) cita em seu livro Terra dos Homens, sofreu um acidente aéreo nos Andes chilenos.
Resistiu à tentação de abandonar-se no seu leito de neve, e começou a andar em busca de socorro. Estava no limite de sua resistência, mas pensava em apenas uma coisa: "minha esposa e meus amigos acham que estou andando. Se abandonar-me à sorte, serei um covarde." Este pensamento o encheu de uma energia incrível, que o fez subir e descer montanhas durante três dias e três noites. Quando pensava em desistir, implorava ao coração: "bata mais forte! Eu tenho orgulho de você, não me deixe". Finalmente uma equipe de buscas o encontrou, quase sem forças - mas vivo para contar a história.
Comenta Dom Rafael: "Todos nós, seres humanos, somos elos da mesma corrente. Eu tenho que resistir, para que a corrente inteira não se parta."

Nenhum comentário: