Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 5 de agosto de 2003

Histórias de Nasrudin

Nasrudin, o mestre que se faz de louco, o sábio que finge ser tolo, o personagem central de grande parte dos ensinamentos sufis, é de novo tema desta coluna.
É melhor prevenir
O mullah Nasrudin chamou o seu aluno preferido:
- Vá pegar água no poço.
O menino preparou-se para fazer o que lhe fora pedido. Antes de partir, entretanto, levou um cascudo.
- E não entre em contato com jogadores e pessoas vaidosas, senão terminará ofendendo a Deus!
- Ainda nem saí de casa, e já recebi um cascudo! O senhor está me castigando por algo que não fiz!
- Com as coisas importantes na vida, não se pode ser tolerante - disse Nasrudin. - De que adiantaria castigá-lo depois que já tivesse perdido sua alma?
A tarefa mais difícil
Um dos rapazes que estudava com Nasrudin quis saber:
- Qual é o maior de todos os homens: aquele que conquistou um império? Aquele que teve todas as possibilidades de fazer isso, mas renunciou ao desejo? Ou aquele que impediu que outro o fizesse?
- Não tenho a menor idéia - respondeu o sábio sufi.
- Mas conheço uma tarefa muito mais difícil que as que acaba de citar.
- E qual é?
- Impedi-los de ficar analisando o que os outros fizeram, e tentar ensinar a se preocuparem com aquilo que vocês mesmos podem fazer.
Quando dar e quando receber
Nasrudin passeava pelo mercado, quando um homem se aproximou.
- Sei que és um grande mestre sufi - disse. - Hoje de manhã, meu filho me pediu dinheiro para comprar uma vaca; devo ajudá-lo?
- Esta não é uma situação de emergência. Então, aguarde mais uma semana antes de atender o seu filho.
- Mas tenho condições de ajudá-lo agora; que diferença fará esperar uma semana?
- Uma diferença muito grande - respondeu Nasrudin.
- A minha experiência mostra que as pessoas só dão valor a algo quando têm a oportunidade de duvidar se irão ou não conseguir o que desejam.
O peixe que salvou a vida
Nasrudin passou diante de uma gruta, viu um yogue meditando, e perguntou o que ele procurava em sua busca espiritual.
- Contemplo os animais, e aprendi deles muitas lições que podem transformar a vida de um homem.
- Pois um peixe já salvou minha vida.
O yogue ficou espantado; só um santo pode ter a vida salva por um peixe! Perguntou como tal milagre tinha acontecido, mas Nasrudin quis antes aprender tudo o que o yogue sabia.
O yogue, convencido que estava diante de um grande sábio, ensinou o que aprendera durante todos aqueles anos. No final, implorou:
- Agora que o senhor conhece tudo que a vida me ensinou, gostaria que me contasse como um peixe salvou sua vida.
- É simples - respondeu Nasrudin. - Eu estava quase morrendo de fome quando o pesquei, e graças a ele pude sobreviver três dias.

Nenhum comentário: