Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 18 de março de 2003

Em busca dos sinais

Podemos achar que tudo que a vida nos oferece amanhã é repetir o que fizemos ontem e hoje. Mas, se prestarmos atenção, vamos reparar que nenhum dia é igual ao outro.
Cada manhã traz uma bênção escondida; uma bênção que só serve para este dia, e que não pode ser guardada ou reaproveitada. Se não usarmos este milagre hoje, ele se perderá.
Este milagre está nos detalhes do cotidiano; é preciso viver intensamente o minuto, entendendo que nele podemos encontrar a saída para o problema, a pessoa que está faltando, a pista certa para a decisão que precisa ser tomada e que irá mudar todo o nosso futuro.
Mas como ter coragem para isso? No meu entender, Deus fala conosco através de sinais. É uma linguagem individual, que requer fé e disciplina para ser totalmente absorvida.
Santo Agostinho, por exemplo, foi convertido dessa maneira. Durante anos procurou - em várias correntes filosóficas - uma resposta para o sentido da vida, até que certa tarde, no jardim de sua casa em Milão, refletindo sobre o fracasso de toda a sua busca, escutou uma criança na rua, cantando: "Pega e lê! Pega e lê!."
Apesar de sempre ter sido governado pela lógica, resolveu - num impulso - abrir o primeiro livro ao seu alcance. Era a Bíblia, e ele leu um trecho de São Paulo - com as respostas que procurava. A partir daí, a lógica de Agostinho abriu espaço para que a fé também pudesse participar, e se transformou em um dos maiores teólogos da Igreja.
Os monges do deserto afirmavam que era necessário deixar a mão dos anjos agir. Para isso, de vez em quando faziam coisas absurdas - como falar com flores ou rir sem razão. Os alquimistas seguem os "sinais de Deus"; pistas que muitas vezes não fazem sentido, mas que terminam levando a algum lugar.
"O homem moderno quis eliminar as incertezas e dúvidas de sua vida. E terminou por deixar sua alma morrendo de fome; a alma se alimenta de mistérios" - diz o deão da Catedral de San Francisco.
Existe um exercício de meditação que consiste em acrescentar - geralmente durante dez minutos por dia - um motivo para cada uma de nossas ações. Um exemplo: "eu agora leio o jornal porque quero me informar. Eu pensei agora em tal pessoa, porque tal assunto que li me levou a isso. Eu andei até a porta, porque vou sair de casa". E daí por diante.
Buda chama isso de "atenção consciente". Quando nos vemos repetindo a mais comum das rotinas, nos damos conta da riqueza que cerca nossa vida. Compreendemos cada passo, cada atitude. Descobrimos coisas importantes, e pensamentos inúteis.
No final de uma semana - a disciplina é sempre fundamental - estamos mais conscientes de nossas faltas e distrações, mas também entendemos que, em certos momentos, não havia nenhum motivo para agirmos como agimos, mas seguimos nosso impulso, nossa intuição; é aí que começamos a compreender essa linguagem silenciosa que Deus usa para nos mostrar o caminho certo. Chamem de intuição, sinal, instinto, coincidência, não importa o nome - o que importa é que, através da "atenção consciente", nos damos conta que estamos muitas vezes sendo guiados para a decisão certa.
E isso nos deixa mais confiantes e mais fortes.

Nenhum comentário: