Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 12 de novembro de 2002

Três histórias judaicas

A prece dos rebanhos

A tradição judaica conta a história de um pastor que sempre dizia ao Senhor: "Mestre do Universo, se tiveres um rebanho, eu o guardarei de graça, pois Te amo".

Certo dia, um sábio ouviu a estranha prece. Preocupado com uma ofensa a Deus, ensinou ao pastor as rezas que conhecia. Mas, assim que se separaram, o pastor esqueceu as orações; entretanto, com medo de ofender a Deus pedindo para guardar rebanhos, resolveu abandonar por completo qualquer conversa com Ele.

Naquela mesma noite o sábio teve um sonho: "Quem guardará os rebanhos do Senhor?", dizia um anjo. "O pastor rezava com seu coração, e você ensinou-o a rezar com a boca."

No dia seguinte o sábio voltou ao campo, pediu perdão ao pastor, e incluiu a Prece do Rebanho em seu livro de salmos.

O que me faz sofrer

O rabino Moshe de Sassov reuniu os seus discípulos, para dizer que finalmente havia aprendido como amar seu próximo. Todos pensaram que o santo homem tivera uma revelação divina, mas Moshe negou.

- Na verdade - comentou ele - hoje de manhã eu saía de casa para algumas compras, quando vi minha vizinha, Esther, conversando com seu filho. Ela lhe perguntou:

"Você me ama?"

O filho disse que sim. Então Esther insistiu:

"Você sabe o que me faz sofrer?"

"Não tenho a menor idéia" respondeu o filho.

" Como pode me amar, se não sabe o que me faz sofrer? Procure descobrir rápido todas as coisas que me deixam infeliz, pois só assim seu amor será impecável."

E o rabino Moshe de Sassov concluiu:

O verdadeiro amor é aquele que consegue evitar sofrimentos desnecessários.

O que alegra a Deus

No dia da Alegria da Torah, os alunos de Ball-Shem festejavam, bebendo o vinho do mestre. A mulher do rabino reclamou:

"Se tomarem o vinho, não restará nada para a santificação", disse ela.

"Acabe com a festa", respondeu o rabino.

A mulher foi até a sala onde os alunos bebiam. Mas assim que abriu a porta, mudou de idéia e voltou ao marido.

"Por que não fizeste nada?", perguntou Baal-Shem.

"Porque dançavam, cantavam, e se alegravam com a vida", respondeu a mulher. "Não tive coragem".

"Você entendeu tudo: é desta maneira que Deus recebe a gratidão do seu povo - vendo que estão contentes. Vá até lá e sirva mais vinho aos meus discípulos", concluiu o rabino.

O lábio selado

O discípulo do rabino Nachman de Bratzlava procurou-o:

"Não consigo conversar com Deus".

"Ïsto acontece com freqüência", comentou Nachman. "Sentimos que a boca está selada, ou que as palavras não aparecem. No entanto, o simples fato de fazer um esforço para superar situação, já é uma atitude benéfica".

"Mas não é o suficiente", insistiu o discípulo.

"Tem razão. Nestas horas, o que se deve fazer é virar-se para o alto e dizer: Meu Deus, estou tão longe de Ti que não consigo nem acreditar na minha voz".

"Porque, na verdade, Deus escuta e responde sempre. Somos nós que não conseguimos falar, com medo que Ele não preste atenção."

Nenhum comentário: