Destaque:

A retrospectiva de Brás Cubas

Tenho grande apreço por Machado de Assis, pois acredito que sua contribuição para a Literatura Brasileira foi muito além de incrementar ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 5 de novembro de 2002

A história de Buda - final

(Na semana passada contei aqui como Sidarta, filho de um rei do Nepal, resolveu abandonar tudo depois de tomar conhecimento do sofrimento humano. Ele passou seis anos meditando, mas tudo que conseguiu foi enfraquecer seu corpo. No momento em que este artigo começa, está recuperando-se de um quase afogamento, bebeu leite, e seus discípulos o abandonaram porque achavam que já não resistia à tentação.)

Animado com a refeição que acabara de comer, ele não deu importância à partida dos antigos discípulos; sentou-se junto à uma figueira, e resolveu continuar meditando sobre a vida e o sofrimento. Para testá-lo, o deus Mara enviou três de suas filhas, que procuraram distraí-lo com pensamentos sobre o sexo, a sede, e os prazeres da vida. Mas Sidarta estava tão absorto em sua meditação, que não percebeu nada disso; naquele momento, ele passava por uma espécie de revelação, recordando-se de todas as suas vidas passadas. À medida que fazia isso, lembrava-se também das lições que havia esquecido (já que todos os homens aprendem o necessário, mas raramente são capazes de utilizar o que aprenderam).

No seu estado de êxtase, experimentou o Paraíso (Nirvana), onde " não há terra, nem água, nem fogo, nem ar, que não é este mundo nem outro mundo, e onde não existe nem sol, nem lua, nem nascimento, nem morte. Ali está o fim de todo o sofrimento do homem."

No final daquela manhã, ele atingira o verdadeiro sentido da vida, e transformara-se em Buda (o Iluminado). Mas, ao invés de permanecer neste estado pelo resto de seus dias, resolveu voltar ao convívio humano e ensinar a todos sobre o que tinha aprendido e experimentado.

Aquele que antes se chamava Sidarta, agora transformado em Buda, deixou para trás a árvore sob cujos ramos conseguira atingir a iluminação, e partiu para a cidade de Sarnath, onde encontrou os seus antigos companheiros; desenhou um círculo no chão, para representar a roda da existência que leva constantemente ao nascimento e à morte. Explicou que não tinha sido feliz como um príncipe que possuía tudo, mas tampouco aprendera a sabedoria através da renúncia total. O que o ser humano devia buscar, para chegar ao Paraíso, era o chamado "caminho do meio": nem buscar a dor, nem ser escravo do prazer.

Os homens, impressionados com aquilo que ouviam de Buda, resolveram segui-lo, peregrinando de cidade em cidade. À medida que escutavam a boa nova, mais e mais discípulos e discípulas se juntavam ao grupo, e Buda começou a organizar comunidades de devotos, partindo do princípio que eles podiam se ajudar mutuamente nos deveres do corpo e do espírito.

Em uma dessas viagens, Buda regressou à sua cidade natal, e seu pai sofreu muito ao vê-lo pedindo esmolas. Mas ele beijou seus pés, dizendo: "O senhor pertence a uma linhagem de reis, mas eu pertenço a uma linhagem de Budas, e milhares deles também viviam de esmolas." O rei lembrou-se da profecia que fora feita durante a sua concepção, e reconciliou-se com Buda. Seu filho e sua mulher, que por muitos anos se queixavam de ter sido abandonados, terminaram por compreender sua missão, e fundaram uma comunidade onde seus ensinamentos passaram a ser transmitidos.

Quando estava chegando aos oitenta anos de idade, comeu um alimento estragado, e soube que iria morrer de intoxicação. Ajudado pelos discípulos, conseguiu viajar até Kusinhagara, onde deitou-se pela última vez ao lado de uma árvore.

Buda chamou seu primo, Ananda, e disse:

"Estou velho e minha peregrinação nesta vida está proxima do final. Meu corpo parece uma carroça que já foi muito usada, e mantém-se funcionando apenas porque algumas de suas peças estão precariamente amarradas com tiras de couro. Mas agora basta, é o momento de partir."

Depois virou-se para os seus discípulos, e quis saber se alguém tinha alguma dúvida. Ninguém disse nada. Três vezes fez a pergunta, mas todos permaneceram em silêncio.

Disse então suas últimas palavras:

"Tudo que foi criado está sujeito à decadência e à morte. Tudo é transitório. (A única coisa verdadeira é): trabalhem a própria salvação com disciplina e paciência."

Buda morreu sorrindo. Seus ensinamentos, hoje codificados sob a forma de uma religião filosófica, estão espalhados por quase toda a Ásia. Consistem, em essência, de uma profunda compreensão de si mesmo, e de um grande respeito pelo próximo.

Nenhum comentário: