Destaque:

A retrospectiva de Brás Cubas

Tenho grande apreço por Machado de Assis, pois acredito que sua contribuição para a Literatura Brasileira foi muito além de incrementar ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 6 de agosto de 2002

Descobrindo o verdadeiro medo

Um sultão decidiu fazer uma viagem de navio com alguns de seus melhores cortesãos. Embarcaram no porto de Dubai, e seguiram em direção ao mar aberto.

Entretanto, assim que o navio se afastou da terra, um dos súditos - que jamais tinha visto o mar, e passara grande parte de sua vida nas montanhas - começou a ter um ataque de pânico.

Sentado no porão do navio ele chorava, gritava, e recusava-se a comer ou dormir. Todos procuravam acalmá-lo, dizendo que a viagem não era tão perigosa assim mas embora as palavras dos outros chegassem aos seus ouvidos, não atingiam o seu coração. O sultão não sabia o que fazer, e a linda viagem por mares calmos e céu azul tornou-se um tormento para os passageiros e a tripulação.

Dois dias se passaram sem que ninguém pudesse dormir com os gritos do homem. O sultão já estava prestes a mandar o barco de volta ao porto, quando um de seus ministros, conhecido por ser um homem sábio, aproximou-se:

- Sua Alteza, com sua permissão, eu conseguirei acalmá-lo.

Sem hesitar um momento, o sultão disse que não apenas permitia, mas que o ministro seria recompensado se conseguisse resolver o problema.

O sábio então pediu que o homem fosse atirado ao mar. Na mesma hora, contentes porque aquele pesadelo estava prestes a terminar, um grupo de tripulantes agarrou o homem que se debatia no porão, e o atiraram no oceano.

O cortesão começou a se debater, afundou, engoliu água salgada, voltou a superfície, gritou mais forte ainda, afundou de novo, e de novo conseguiu voltar à tona. Neste momento, o ministro pediu para que o alçassem de novo até o barco.

A partir daquele momento, ninguém ouviu mais qualquer reclamação do homem, que passou o resto da viagem em silêncio, chegando mesmo a comentar com um dos passageiros que nunca tinha visto nada tão belo como o céu e o mar que se juntavam no horizonte. A viagem - que antes era um tormento para todos que se encontravam no barco - transformou-se de novo em uma experiência de harmonia e tranqüilidade.

Pouco antes de retornarem ao porto, o Sultão foi procurar o ministro:

- Como é que você podia adivinhar que, jogando aquele pobre homem no mar, ele ia ficar mais calmo?

- Por causa do meu casamento - respondeu o ministro. - Eu vivia apavorado com a idéia de perder a minha mulher, e meu ciúme era tão grande, que eu não parava de chorar e gritar como este homem.

"Um dia ela não agüentou mais, foi embora - e eu pude experimentar o terrível que seria a vida sem ela. Só voltou depois que eu prometi que jamais tornaria a atormentá-la com meus medos.

"Da mesma maneira, este homem jamais havia provado água salgada, e jamais tinha se dado conta da agonia de um homem prestes a afogar-se. Depois que conheceu isso, entendeu perfeitamente que maravilha é sentir as tábuas de um navio debaixo de seus pés.

- Sábia atitude - comentou o sultão.

- Está escrito em um livro sagrado dos cristãos, a Bíblia: "Tudo aquilo que eu mais temia, terminou me acontecendo." Certas pessoas só conseguem valorizar o que tem, quando experimentam a sensação da perda.

Reflexão

De Anthon William:

"O mundo sempre parece ameaçador e perigoso para os covardes. Estes procuram a segurança mentirosa de uma vida sem grandes desafios, e se armam até os dentes para defender aquilo que julgam possuir. Os covardes são vítimas do próprio egoísmo, e terminam construindo as grades da própria prisão."

Nenhum comentário: