Destaque:

El centenario de las apariciones de la Virgem Maria en Fatima

Rosa Caroline Crespo Fernández Valderi da Silva En su visita al santuario de Fátima en 1982, San Juan Pablo II proclamaba que "a ...

Você escolheria a Monarquia como melhor sistema de governo para o Brasil?

terça-feira, 9 de julho de 2002

Por que Paulo Coelho tem sucesso?

Essa é a pergunta que mais escuto, de jornalistas do mundo inteiro. Mas se o leitor acha que consigo respondê-la, é melhor parar de ler o artigo por aqui. O meu processo de criação vai contra tudo aquilo que se convencionou chamar de "receita do sucesso."

Em primeiro lugar, porque que não sigo uma fórmula temática em meus livros: O diário de um mago e As Valkírias, por exemplo, tratam diretamente de espiritualidade, enquanto O Alquimista e Veronika decide morrer sequer tocam no assunto. Além disso, a inserção de personagens no tempo varia muito; em O monte Cinco estamos alguns séculos A. C. ; Na margem do rio Piedra sentei chorei acontece no presente, enquanto O Alquimista e O demônio e a Srta. Prym não fazem qualquer referência à época.

Há gente que diga que é marketing: ora, os meus primeiros dois livros (Diário de um mago e Alquimista) já tinham vendido mais de 250 mil cópias quando a editora colocou o primeiro anúncio. O mesmo ocorreu no exterior: os editores estrangeiros só se aventuraram a investir no desconhecido autor brasileiro, quando viram o que acontecia aqui - e mesmo assim, sem muita convicção, argumentando que "o que acontece em um país, pode não acontecer no outro."

Então, se existem contradições de tema e de espaço, e se o marketing era inexistente na fase crítica - em que os primeiros livros saíram sem qualquer alarde - onde reside o segredo?

Segredo, não existem nenhum. Mas existem três fatores que, no meu entender, fazem com que "o universo sempre conspire a favor de quem quer realizar um sonho."

O primeiro fator: é preciso estar absolutamente convencido daquilo que se está fazendo. A partir do momento que decidi viver de literatura, deixei de lado todas as outras possibilidades de subsistência. Parei meu trabalho como letrista de música, roteirista de TV, jornalista, e resolvi apostar toda a minha energia naquilo que me dava alegria de viver. Como todas as outras pessoas, tinha família para sustentar, mas minha família me apoiou - porque o amor sempre é a força maior atrás de qualquer iniciativa.

O segundo fator: você não consegue jamais realizar um sonho sozinho, portanto encontre os seus aliados. E meus aliados foram os leitores que, através do boca-a-boca, conseguiram difundir o trabalho de um escritor desconhecido. Se alguém gosta do que leu, irá recomendar o livro ao seu amigo, namorado, filho. O apoio inicial partir do leitor também protege o autor dos eventuais ataques da imprensa; como já tomou conhecimento do trabalho, julgou e recomendou, quando estiver diante de uma crítica negativa, irá lembrar-se de seu próprio julgamento, e não se deixará influenciar.

Finalmente: descubra uma maneira pessoal de compartilhar o seu sonho. Isso, em literatura, é chamado de estilo. Procurei falar de temas antigos, usando uma linguagem moderna. Os manuscritos originais tinham quase o triplo de páginas, mas eu me obriguei a acreditar que o leitor era capaz de utilizar sua imaginação na construção dos cenários, de modo que me limitei a narrar os conflitos dos personagens. A experiência provou que eu não estava errado.

Um autor tem que correr riscos: não pode deixar-se escravizar pelos temas, na esperança de agradar a quem o lê. Precisa ser honesto naquilo que escreve, e transparente consigo mesmo - porque o leitor perceberá quando estiver diante de um romance escrito apenas para satisfazer as "tendências de mercado", e vai sentir-se traído. Eu nunca posso prever o que milhões de leitores no mundo inteiro, em culturas diferentes, irão pensar daquilo que estão lendo; conseqüentemente, escrevo para a única pessoa com quem tenho certa intimidade - eu mesmo.

Quando começo um livro, travo o duro combate entre quem sou, e que parte gostaria de melhorar em mim mesmo. Qualquer atividade criativa é uma aventura dolorosa e fascinante ao mesmo tempo: por um lado existe o medo de descobrir nossos próprios fantasmas, por outro está a excitação de saber que somos mais interessantes do que pensamos.

Nenhum comentário: